Palavras que tocam o coração

Jovens relatam experiência profunda com palavras do Papa

Jovens testemunharam o poder das palavras de Francisco

Por Daniel Machado de Assis
Enviado especial ao Rio de Janeiro

O encontro do Papa Francisco com a juventude, nesse sábado, 27, durante a vigília de oração, fará parte dos momentos inesquecíveis da história das Jornadas Mundiais da Juventude. As palavras do Pontífice tocaram profundamente o coração dos peregrinos presentes na Praia de Copacabana, que, a partir de agora, são chamados a se lançarem em águas mais profundas.

Logo após a vigília, colhemos alguns relatos destes jovens, que já fazem parte de um novo tempo na Igreja, chamados de “protagonistas na Igreja” pelo Santo Padre.

“Eu nem era muito de frequentar a igreja, mas aqui eu senti uma coisa diferente, senti que faço parte de algo muito maior. Vendo estes jovens que acreditam na mesma fé, pensei: ‘Já não posso mais ser indiferente’. Na vigília, vendo Jesus Sacramentado, ali no palco, mesmo distante, eu senti que Ele estava no meu coração”, testemunhou a paulista Thauani Sales.

Rafael e Thauani de São Paulo - SP, participaram da vigília com o santo padre (Foto: Daniel Machado/CN)

Rafael e Thauani de São Paulo (SP) participaram da vigília com o Santo Padre. “O sentimento é de catolicidade”, afirmou Rafael (Foto: Daniel Machado/CN)

No mesmo grupo de Thauani, está o jovem Rodrigo Almeida, o qual fez uma analogia com o fato de os jovens estarem na praia, junto ao Sucessor de Pedro, sendo chamados a ‘pescar’ outros jovens. “Papa Francisco é o Sucessor de Pedro, que, por sua vez, era pescador, e o fato de estarmos aqui hoje, nesta vigília, perto do mar, nos reporta ao convite de Jesus feito há dois mil anos: ‘Lançai as redes para águas mais profundas’. O sentimento que eu tenho aqui é de catolicidade. E como é bom viver isso!”, destacou o jovem.

“O que mais me tocou o coração foram as palavras do Papa, porque as coisas que ele mencionou tocaram a minha consciência; principalmente porque eu ficava muito preocupada com o que os outros iriam pensar de mim, me preocupava com a imagem corporal e não com o lado espiritual”, partilhou a mexicana Brenda Denisse, que veio com um grupo de 136 pessoas da cidade de Pueblos, México.

A mexicana Branda (esq.) disse "As palavras do Papa tocaram a minha consciência" (Foto: Daniel Machado/CN)

A mexicana Branda (esq.) disse “As palavras do Papa tocaram a minha consciência” (Foto: Daniel Machado/CN)

Josaine Rodrigues, que faz parte de um grupo de 28 pessoas de Belo Horizonte (MG), também afirmou se sentir tocada pelas palavras do Santo Padre durante a vigília. “Para mim, o que ficou de mais forte nas palavras do Papa foi que não devemos ser cristãos de nome, mas de fé e atitudes”, enfatizou a mineira, presente no Rio desde terça-feira, 23, e preparada para também dormir na praia. “Eu estou alojada aqui num apartamento, bem na orla, mas quando vi estes jovens aqui resolvi acampar. A vigília é o ápice desta jornada e eu não iria perder isso por nada! Quando vou viver isso novamente?”, concluiu a peregrina mineira.

Apesar de estarem hospedados em apartamentos de Copacabana os mineiros preferiram a confraternização da madrugada na praia (Foto: Daniel Machado/CN)

Apesar de estarem hospedados em apartamentos de Copacabana, os mineiros preferiram a confraternização da madrugada na praia (Foto: Daniel Machado/CN)

Comentários O seu comentário será aprovado automaticamente, portanto evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.

↑ topo